GERAL

Piano de bolso

No ano de 1992 decidi aceitar o desafio e largar meu trabalho para me dedicar à obra de Deus. Larguei a empresa ISHIKAWAJIMA DO BRASIL, onde trabalhava no departamento pessoal  há muitos anos, e fui me preparar para o vestibular de música no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil.

Já era músico há muitos anos, tocava numa orquestra de jazz e regia o coral da igreja. Lembremos que estudamos falando de 20 anos atrás e eu tinha 20 anos de idade. Na orquestra eu tocava saxofone e não tinha tido contato ainda com o piano por vir de uma família simples e ser membro de uma igreja pequena e simples também, que não dispunha de tal instrumento. Para minha surpresa, para o vestibular era necessário que se soubesse tocar piano. Fiquei “desesperado” mas sabia que tinha muita força de vontade.

Como não tinha o instrumento, nem dinheiro para pagar as aulas de piano, procurei uma professora com o desejo de ter apenas uma aula, expliquei toda a situação e ela me presenteou com um mês de aula (quatro aulas), só que eu não tinha o instrumento para treinar, então decidi  fazer o inusitado: Comprei uma folha de cartolina, desenhei o teclado do piano em tamanho natural, apanhei vários livros de técnica pianística e estudei no meu próprio “piano”. O som fazia parte do meu imaginário, como eu conhecia bem o som das notas não era difícil imaginar o que eu estava tocando, apesar de muitos acharem que eu estava ficando louco.

Toda vez que terminava de estudar, eu enrolava aquela tira de cartolina (o meu querido piano) e guardava-a no bolso. Talvez  eu seja um dos primeiros a criar o termo  “piano de bolso”.

Estudei todas as músicas que constava no programa para vestibular. No dia da prova, a banca de professores, depois de me ouvir tocar, me disse: Vemos que você não é um pianista, mas não podemos reprová-lo  porque cumpriu todos os requisitos necessários para esta prova. Sugerimos que, uma vez aqui dentro, você se dedique ao piano. “Ora, se eu consegui tocar todas as músicas num piano de papel, foi moleza estudar naqueles instrumentos maravilhosos que o Seminário possuía”. Estudei até em pianos de cauda.

Hoje sou maestro, graças apenas ao meu bom Deus! Toco, além do meu querido piano, vários outros instrumentos, dos quais dou aula em minha Primeira Igreja Batista em Manhuaçú. Criei a Orquestra de Câmara Jovem de Ipatinga e com ela gravei CD’s e DVD’s, regi várias orquestras no país dentre elas a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e a Orquestra Sinfônica da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais. Espero que Deus ainda me dê oportunidade de continuar regendo e conhecer muitas outras orquestras no mundo.

Caso queiram conhecer mais um pouco mais do meu trabalho, uma pequena parte está disponível na rede Facebook e youtube com os links de: Marcelo Melo, Maestro Marcelo Melo, Coral Usina Independente Câmara.

Por: Marcelo Melo

Publicado pela revista Gospel Link – junho/2012 – ano 8 nº32

 

Requiem de Mozart, Tuba Mirum – Maestro Marcelo Melo

 

Thats When He Steps In – Então Ele Vem

Marcelo Melo, Lucas Melo e Matheus Melo PIB de Campo Grande – Rj Cover e Tradução da música THAT’S WHEN HE STEPS IN feita por Marcelo Melo com copyright de

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error