Mundo Cristão

A Igreja e o novo coronavírus: enfrentamento com sabedoria

Têm alguns líderes e membros de igrejas dizendo que parar os cultos públicos é falta de fé. Dizem que a igreja não deve fechar as portas, que basta invocar o Salmo 91 e repreender o demônio (em forma de vírus), e ele não chegará nem perto das nossas tendas. Outros dizem que ficar em casa, evitar aglomerações e até fazer o autoisolamento é medo e covardia diante do perigo. Dizem que um bom cristão deve ser ousado e atacar o inimigo de frente.

Esse tipo de atitude não é fé, é insensatez. Face aos gigantes e ameaças, devemos considerar as atitudes e reações de Davi, por exemplo. Diante do leão, do urso e do gigante Golias, ele partiu para cima e os enfrentou. Diante das ameaças e perseguições de Saul, e também do seu filho Absalão, ele fugiu e se escondeu.  As duas atitudes estavam corretas, e Deus lhe deu vitória e livramento em todas elas.

Na noite da Páscoa, na saída do Egito, por ocasião da décima praga, Deus disse que os israelitas deveriam ficar em casa, colocar sangue de cordeiro nos umbrais das suas portas, e esperar a calamidade passar. Nas casas onde não houve essa obediência e proteção, o anjo da morte veio e matou todos os primogênitos (Êxodo 12.21-23).

Que mais se pode dizer das quarentenas, do autoisolamento para evitar a disseminação do vírus? Existem vários textos da Palavra de Deus que respaldam a prudência, a parcimônia diante dos riscos e das ameaças.

Tome-se, por exemplo, as palavras do autor de Provérbios: “O prudente vê o mal e esconde-se; mas os simples passam adiante e sofrem a pena” (Provérbios 22.3 – ARA).  A Nova Versão Internacional diz: “O prudente percebe o perigo e busca refúgio; o inexperiente segue adiante e sofre as consequências”.  Cinco capítulos mais na frente, ele repete a mesma coisa em Provérbios 27.12.

Entendemos que por trás de cada calamidade, como essa, há ações do diabo, do inimigo espiritual do Senhor e nosso. Mas, por outro lado, em cada situação calamitosa a igreja pode manifestar o bom testemunho de Cristo, glorificar a Deus e ser instrumento de fé, esperança, luta correta e ajuda aos aflitos e desesperados.

Como cidadãos de uma nação civilmente organizada, vamos ouvir e seguir as orientações das autoridades. Este é um dos casos onde se mais deve obedecer às autoridades, de acordo com o que está escrito em Romanos 13.

O momento não é para espalhar ou reproduzir ódios políticos ou ideológicos. Existem muitas teorias da conspiração circulando, como a de esta ou aquela nação criaram o vírus em laboratório para fins políticos ou econômicos. O vírus não reconhece ideologia, crença, raça, partido político ou status social. Como ele ataca a todos, é necessário também que todos se unam para derrotá-lo. Depois dele vencido, cada um pode voltar para seus pontos de vista, ideologias e agendas pessoais.

Neste momento, acima de tudo, devemos orar como o salmista: “Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia, pois em ti a minha alma se refugia; à sombra das tuas asas me abrigo, até que passem as calamidades” (Salmos 57.1). E é claro que Ele tem misericórdia! Como tantas outras, essa calamidade passará, e nós seguiremos exaltando o Senhor!

Pax et bonum!

Pastor Ivanildo Gomes
Paz Church Porto Alegre-RS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error